domingo, 27 de dezembro de 2009

Promessa.


Cada 365 dias do seu ano, foi uma folhinha que se despedaçou, que como roupa ela ia usando e esticando ao sol. Um sorriso que ela deixou ser plantado, uma lágrima que ela deixou pra regar a tristeza que ia e vinha.
Agora esse tempo tá ficando antigo, esse sol de ano velho ta sumindo no horizonte cinza e vermelho de Dezembro, e já passa da hora dela ir recolhendo suas folhinhas deixadas no varal, de ir colhendo seus sorrisos, ainda pequenos, de ir secando suas lágrimas e deixando pra trás suas tristezas velhas.
Hora de juntar toda essa vida e colocar naquele baú que fica atrás da porta na consciência.
E hora de fazer a última faxina, tirar toda poeira, rearrumar a sala, jogar a cor da vida, e esperar perfumada esse ano que chega.

E correndo, porque já da pra vê-lo despontando no horizonte, lindo e límpido, ano que chega, com toda sua bagagem de novas esperanças, e nas mão o nosso punhado de novos sonhos e recomeços.

Feliz ano que começa!


"Me espera estou chegando com fome,
Preparando o campo e a alma pra as flores,
E quando ouvir alguém falar no meu nome,
Eu te juro que pode acreditar nos rumores.

Me espera amor que estou chegando,
Depois do inverno a vida em cores,
Me espera amor nossa temporada das flores..."

(Leoni)

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

[...]



-Não me venha com falsas ilusões.
Por mais construtiva que seja, uma crítica é sempre uma crítica.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Das tristezas despercebidas


"Me mande mentalmente coisas boas. Estou tendo uns dias difíceis — mas nada, nada de grave."

(Caio F. Abreu)



Sentada ali. Olhando a tela em branco, buscando a palavra que não quer sair.
Ela. Sentada exatamente ali, imaginando mil e uns pingos pra nenhum i.
Olhando e buscando em volta, tentando achar desenhos em nuvens que ainda vão surgir.
Na solidão da sala, em frente a tela em branco, esperando surgir.

E derrepente, toda aquela angustia, que o peso das palavras não suporta mais,
Tudo que lhe aflige, ela decide em fim.
E os dedos fragéis, cansados de olhar o brancura da tela,
marcam no teclado, o ponto final.

Pra ela já chega, empurra a cadeira, só lhe resta ir dormir.

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Promoção de Fim de Ano



Senhoras e Senhores,

Na troca de um ano vencido, por apenas mais um punhado de esperança não perecível, você leva um ano* cheinho, pronto pra novos recomeços.


* Promoção valida até 31/12.

sábado, 12 de dezembro de 2009

Cansada.

"[..]Há sem dúvida quem ame o infinito,
Há sem dúvida quem deseje o impossível,
Há sem dúvida quem não queira nada -
Três tipos de idealistas, e eu nenhum deles:

Porque eu amo infinitamente o finito,
Porque eu desejo impossivelmente o possível,
Porque eu quero tudo, ou um pouco mais, se puder ser,

Ou até se não puder ser...


E o resultado?
Para eles a vida vivida ou sonhada,
Para eles o sonho sonhado ou vivido,
Para eles a média entre tudo e nada, isto é, isto...

Para mim só um grande, um profundo,

E, ah com que felicidade infecundo, cansaço,
Um supremíssimo cansaço.
Íssimo, íssimo. íssimo, Cansaço... [..]"

(Perfeitamente, Pessoa)


Ando sentindo um cansaço que não tem tamanho.
Estou cansada dos dias infindáveis, dos relógios que desaprendem a passar as horas e do tempo que sempre parece estar do lado errado.
Cansada das filas intermináveis, das esperas continuas, das tristezas mascaradas e dos sorrisos desperdiçados, esquecidos no canto da sala.
Estou cansada dessas provas sem sentido, dessas buscas intermináveis, desse despropósito geral.
Cansada de vestir essa armadura pra ir a luta nessa festa a fantasia.
Cansada desse delírio, dessa urgência angustiante, de morrer na beira depois de chegar a lugar nenhum, cansada de ser sociável.
Eu tô cansada de ser consolada, de ser enganada ou me servir de apoio.
Eu to cansada de me sentir cansada.
Porque o que cansa e ter que acordar todos os dias tentando imaginar um jeito de quebrar essa grade que me impede de seguir meu caminho e construir meu mundo.
E por não suportar mais esse cansaço que me invade e que me toma,
Eu vou dormir.
Tenho que aprender a não medir forças com algo mais forte do que eu.
Apague as luzes, feche a porta ao sair.
Eu vou dormir.
Porque amanhã, eu vou transpor essa grade que me prende.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Pessimismo


Ás vezes não te dá a impressão de que sem querer, pegou carona no carro errado,
E agora não sabe mais pra onde vai, apenas que se distancia cada vez mais do lugar para o qual desejava estar indo?


"Eu conheço o medo de ir embora
O futuro agarra a sua mão
Será que é o trem que passou
Ou passou quem fica na estação?
Eu conheço o medo de ir embora
E nada que interessa se pode guardar
Lembra se puder
Se não der esqueça
De algum jeito vai passar.."

(Oswaldo Montenegro)

domingo, 6 de dezembro de 2009


Ela procura as palavras como um garimpeiro procura ouro entre as pedras de um rio.
E por mais que tente, não consegue dizer o que se passa lá dentro quando ele está ao seu lado.
Ele tem o dom de lhe tirar a fala, de misturar seus sentidos, de fazê-la perder o sentido e agir das mais variadas maneiras( E ele que o diga).
Com ela, ele deve ter a prendido a medir as palavras, e ela, com ele, a catalogar sorrisos.
Ele é seu ponto forte, quando segura firme a barra. Quando não deixa a insegurança dela, desatar os nós que enlaçaram juntos.
É seu ponto fraco, por quando ele falta, falta a cor do seu dia e seu sorriso não consegue encontrar a porta de saída e fica preso lá dentro.
Talvez não consiga nunca encontrar palavras pra descobrir o que sua presença lhe causa.
Mas sabe muito bem o tamanho do buraco que sua falta deixa.

"Sobra tanto espaço Dentro do abraço Falta tanta coisa pra dizer Que nunca consigo.." (Sobre tanta falta - Teatro)

Enquanto a chuva cai lá fora


"..Chove lá fora
E aqui tá tanto frio
Me dá vontade de saber...

Aonde está você?
Me telefona
Me Chama! Me Chama!
Me Chama!..."

( Lobão)




Gostava da cor do mundo quando chovia.
Quando chovia, ficava tudo cinza, tudo ficava triste e já não parecia que apenas ela se sentia sozinha.
Parecia que o mundo, enquanto chovia, ficava triste e lhe fazia companhia. E tristes, os dois, compartilhavam da mesma solidão.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Ctrl C


"Por te falar eu te assustarei e te perderei? Mas se eu não falar eu me perderei, e por me perder eu te perderia."

(Clarice Lispector)

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Delírio



Precisava desesperadamente de 2 coisas:
Uma garrafa e um copo.
E torcer pra conseguir se afogar.

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

O que eu quis dizer





E a palavra se fez presente.
Se fez bonita. E coçou na língua de vontade de sair e adormecer em certos ouvidos.
Só que na ânsia de medi-la, matou-lhe a essência.
A palavra, antes risonha e límpida como as verdades claras que querem ser ditas,
tão clara e doce como o raiar do dia, se envergonhou.
Entristeceu-se e foi se esconder lá no fundo.
levou consigo a vontade de dizer-lhe.

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Minha lembrança funciona como alerta.
Quando eu sinto que começo a esquecer teu cheiro,
É o coração avisando que já passa da hora de ver.

sábado, 21 de novembro de 2009

Das coisas que não se pode esquecer.


As vezes a gente desacredita. Perde um pouco a força que faz aquela maquininha engraçada ficar batendo. Nesses dias assim, parece que as coisas perdem um pouco de sentido, e a gente acha que tudo aquilo por que nos vínhamos lutando não passa de sonho. E tememos que tudo que planejamos se destrua com um simples acordar.
Nessas horas não há muito o que fazer.
Vá dormir, vá ler, faça o que melhor te agrada, beije, dance, ou simplesmente esqueça.
Porque passa. Assim, de vez. Vez por outra volta...rsrs.

Mas o que importa mesmo, é que o dia nasce lindo toda manha.
24 horas novinhas em folha, pra você descobrir que nada é tão ruim quanto parece ser.
E pra se quiser, fazer diferente.


"De tudo, ficaram três coisas:a certeza de que ele estava sempre começando, a certeza de que era preciso continuar e a certeza de que seria interrompido antes de terminar. Fazer da interrupção um caminho novo. Fazer da queda um passo de dança, do medo uma escada, do sono uma ponte, da procura um encontro."

Fernando Sabino

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Urgente.


Alguem me informa?
Se eu quiser um tempo de mim mesma,
Pra quem eu solicito?

Pode jogar fora, moço!



Olhou pra dentro e só viu poeira.
Fez uma faxina pra tentar se encontrar,
e sem querer jogou fora a si mesma.




"..Ele partiu e não voltou e não voltou porque não quis
Quero dizer ficou por lá, já que por la se é mais feliz.." ( Titãs)

domingo, 15 de novembro de 2009

Sobre as inspirações

Eu te amo.
E é simples assim.
Talvez minhas palavras faladas nunca consigam te fazer sentir a intensidade dessa frase.
Talvez porque ela seja só uma frase.

Talvez minhas verdades morem nas minhas palavras escritas.
Não nasci com o dom de traduzir sentimentos na fala.
Nasci com o de ocultar os meus na escrita.

Sou exatamente isso que escrevo.
Permito me derramar-me na escrita.
Cada palavra sou eu. Todas elas nascem, partem e se transformam em mim.

E eu te amo cada vez mais.
Porque as minhas palavras crescem contigo.
E se eu me encho delas e porque você me enche de alegria.
E toda vez que o amor transbordar em mim,
As minhas palavras transbordaram aqui.

sábado, 14 de novembro de 2009

Das Rotinas.


Botou os pés na soleira da porta e ao sair pediu mais uma vez proteção.
Subiu no ônibus como de costume, suspirou pesado, sentou-se e se pôs a olhar a paisagem que passava rápido.
E enquanto o ônibus dava voltas e voltas, passando pelos mesmos lugares que passava todos os dias, foi que percebeu que sua vida seguia pelo mesmo caminho.
Estava continuamente a dar voltas e voltas e acabar sempre no mesmo final da linha.


Só que hoje, quando saiu de casa, ela pediu proteção.


Não queria mais ser aquele ônibus velho que só sabia seguir sua rotina. Não queria mais ser dirigida.
Hoje ao sair de casa, pediu proteção.
E porque estava protegida, estava decidida.


Hoje ela iria furar o pneu.
e pedir carona pra vida.

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Quanto tempo do seu dia você perde pensando naquilo que não fez?

O dobro ou metade daquele mesmo tempo que você gasta pensando no que não deveria ter feito?




"Não vou mais medir o tempo
Não vou mais contar as horas
Vou me entregar ao momento
Não vou mais tentar matar o tempo"
(Titãs)

domingo, 8 de novembro de 2009

Das incertezas



Desculpa se as vezes eu surto e te assusto.
Sei que amar e compartilhar são sinonimas, que tenho que aprender a te contar minhas duvidas, meu medos.
Sei que mais que ninguém, você me aceita do meu jeito. Que na maioria das vezes não me julga, que sempre procura me entender.
Desculpa.
É que as vezes eu mesma me assusto, e me dá medo de ser demais pra você.
Mas me faz um favor?
Quando eu estiver nesses momentos de loucura, não peço que me entenda, apenas que não me deixe só.
E que me aperte, aperte firme, só para eu ter certeza que você está ali, comigo.
Porque se não sumir, pelo menos passa.




"Não me deixe só
Eu tenho medo do escuro

Tenho medo do inseguro
Dos fantasmas da minha voz.."

(Vanessa da Mata)





sábado, 7 de novembro de 2009



Se agarra com força naquilo que acredita.
Não adianta lhe dizer que as ilusões são frágeis,
Porque são seus sonhos que a levam pra longe,

E é pra longe que ela foge pra se esconder..

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Cadê?




As vezes dá a impressão
de que quando estavam distribuindo sorte,
Eu tropecei na fila.






-rio do mistério

que seria de mim
se me levassem a sério?-

[Paulo Leminski - do livro Distraídos Venceremos]

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

(TPM)


Essa tristeza me aflige.
E não saber a causa é o que me assusta..




"Por muito tempo achei que a ausência é falta.

E lastimava, ignorante, a falta.
Hoje não a lastimo.
Não há falta na ausência.
A ausência é um estar em mim.
E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços,
que rio e danço e invento exclamações alegres,
porque a ausência, essa ausência assimilada,
ninguém a rouba mais de mim.."

(Carlos Drummond de Andrade)

domingo, 1 de novembro de 2009

Meu amor,



Desculpe falar tanto de amor.

É que você tem o incrível poder de me tirar do serio. Me fazer complicar o óbvio. De me incendiar.
Você me faz ser metáfora, me compara, me faz hipérbole do próprio exagero.
Com você, me faço síntese. Por você me desmancho e me recomponho.
Você se faz ponte, entre a menina insegura e mulher cheia de si que me habitam.
E ainda por cima tem nas mãos meu sorriso.

-E pode fazer dele o que bem entender-

Você me faz contradição, é solução quando a própria causa é você.
Seu olhar me perturba, me faz embolar as frases, esquecer as palavras, confundir!

Desculpe falar tanto de amor.
E só assim que sei respirar..


-----------------------------------------------------------------------------------


P.S. Por que Já são 273 dias ao seu lado.
E ate hoje, não sei explicar o que você me causa..

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

sábado, 24 de outubro de 2009

Aquele abraço""

E quando eles se viram, Ela o apertou tanto que parecia que se seus braços foram feitos exatamente pra Ele.
E quanto mais o apertava, mas precisava apertá-lo pra ter certeza que Ele estava ali, ao seu lado.
E mesmo assim, ainda não era suficiente.

Precisava senti-lo, cheira-lo, beija-lo.
Precisava mais que nunca dizer dizer o quanto amava aqueles olhos "verdes" que a fitavam.

E todo tempo do mundo seria pouco pra secar o imenso mar de saudade que havia entre eles.


"E quando você voltar
Tranque o portão
Feche as janelas
Apague a luz
e saiba que te amo..."

(Legião)

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Amigo.

Tinha um abraço que eu guardava pra você.
E você nem sabe, mas o que me deu coragem de te entreguar, foi aquela musica do E.H. que gritava na minha cabeça.

Peço perdão se mais uma vez eu bagunçar sua vida.
E que eu tenho medo de me perder na sua lembrança, e perdida, perder meu amigo.
Você é uma daquelas pessoas que quando a gente conhece, vai se infiltrando, ganhando espaço, e no final, tem parte da nossa vida.

E é tão bom poder fazer parte da tua. Te ouvir contar teus planos. Dividir teus sonhos.
Por que voce me faz feliz, me permitindo ser tua amiga.




"Desd'aquele dia
Minhas noites são iguais
Se eu não vou à luta
Eu não tenho paz
Se eu não faço guerra
Eu não tenho mais paz
Não aguento mais
Um dia mais, um dia a menos
São fatais
Pra quem tem sonhos pequenos
Sonhos tão pequenos
Que nunca têm fim

Eu só queria saber
O que você foi fazer no meu caminho
Eu não consigo entender
Não consigo mais viver sozinho.." (E.Hawaii)

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

De Mudança


Bora?!

Pois eu vou! To indo dessa pra uma melhor.
Hoje eu acordei pra vida, ávida.
Resolvi viver..aderir as segundas, terças, quartas, e até domingos!
Hoje é o dia? Que nada!
Todo dia é dia, de ser feliz, de ser você, de fazer conquistas.
Bola pra frente, menina! Ah, ela furou?
Vai lá é pega um balão. Ou melhor, trás o saco cheio, que quando furar um a gente enche outro, e outro e mais outro.
Mas trás contigo só isso. Se quiser pode trazer também tua esperança. Trás teu coração, que apesar de te deixar na mão as vezes, não te larga nunca. Quer saber? Se quiser trás tudo. E vem de alma limpa. Só limpa a casa. E deixa espaço na bagagem pra muitos sorrisos e recomeços.

Porque se você não fizer da vida uma festa, ela vira bloco e segue em frente, queira você ou não.
Então, sacode a poeira, da volta por cima, e segue em frente que a vida é bela e não para pra ninguém!

Você decide. Bora?


"Vamos duvidar de tudo o que é certo
Vamos namorar à luz do pólo petroquímico
Voltar pra casa num navio fantasma
Vamos todo mundo... ninguém pode faltar

Se faltar calor, a gente esquenta
Se ficar pequeno, a gente aumenta
E se não for possível, a gente tenta
Vamos velejar no mar de lama
Se faltar o vento, a gente inventa

Vamos remar contra a corrente
Desafinado coro dos contentes.."


(Pose - Eng. Hawaii)

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Círio de Nazaré.


Todos os anos se repete a tradição. O povo paraense, povo devoto, de uma cultura de escravos e índios, de colonizados e colonizadores, todos se juntam e fazem festa pra Ela. Ela, Padroeira da Amazônia, ganha dia, mês. Mãos que se juntam e se entrelaçam pra agradecer. Deixam-se padecer pra mostrar o amor que os move. Amor e Fé. Juntos, unidos por um mesmo ideal.

Um mar de gente. Corações que pulsam espremidos uns contra os outros levam a corda da berlinda.

Pra então Ela, em toda sua graça, derramar sua bênção sobre nós.

Porque a única coisa capaz de mover um povo inteiro, é a Fé.


"Pororoca humana
Corda trançada de gente
Gente grudada de fé!
Desaguar de promessas
Cuia de esperança
Canoa que não afunda!
Círio...
Senhora de Nazaré
Mãe da Amazônia!
Essas cantigas de fé

Esses sorrisos
Essas lágrimas
Esses pés descalços
Esses joelhos esfolados!
Outubro -Belém
Cheiro de gente
Esse povo Essa fé!
Tudo
Todos
Igualdade
Olhos ao céu
Coração em Deus!"

(Luiz Alho)



Paraense de nascença, coração e tradição.

Eu estive lá.


Sem resposta


Outro dia, quando voltavam de um passeio, Ele lhe perguntou como sabia que era ele, seu amor.
Ela o olhou longamente e limitou-se a isso. As palavras nunca são boas o bastante quando tem que ser.

Hoje, quando Ela o olhou, sentado ali, no meio daquele monte de criança que corria de um lado pro outro como toda criança sabe fazer, teve ainda mais certeza que sim, era Ele.

Porque Ele aguentava seus chiliques.
Porque lhe esperava com uma rosa, quando sabia que ela estava pra baixo, e ate deixava-a brincar de despedaça-la, sem se zangar.
Quando Ela o surpreendia, Ele dava aquele riso que a fazia rir sempre e que a encantava.
Ou quando a acompanhava naquelas festas de família ou de criança que detestava.

Por ela.

Ela sabia que era Ele, porque era capaz de passar a noite toda listando coisas que pra outras pessoas, seriam apenas coisas, mas que pra Ela eram encantadoras. Porque aos seus olhos, Ele era encantador.

E se naquele momento, ele se visse como só ela o vê, ele saberia o porque.



"Porque eu sei que é amor
Eu não peço nada em troca
Porque eu sei que é amor
Eu não peço nenhuma prova

Mesmo que você não esteja aqui
O amor está aqui
Agora
Mesmo que você tenha que partir
O amor não há de ir
Embora

Eu sei que é pra sempre
Enquanto durar
E eu peço somente
O que eu puder dar

Porque eu sei que é amor
Sei que cada palavra importa
Porque eu sei que é amor
Sei que só há uma resposta

Mesmo sem porquê eu te trago aqui
O amor está aqui
Comigo
Mesmo sem porquê eu te levo assim
O amor está em mim
Mais vivo

Porque eu sei que é amor.."

(Titãs)

sábado, 10 de outubro de 2009

Tum-Tum..


E o meu coração teimoso, agora inventou que não bate.
Está ocupado demais cronometrando os minutos pra você ir, apertadinho, que é pra ver se você volta mais rápido.
E disse que entrou em greve e só volta com a sua volta.


Ainda nem fostes, e a saudade já veio me bater a porta!
Antes de ir, me faz um favor?

Diz que só tem espaço pra ti e manda ela embora?

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

E tem cura isso?


Não vou dizer que hoje acordei um tanto sei lá. Hoje acordei normal. Mal-humorada como de costume, com sono como de costume.
Não ficar repetindo o quanto o meu dia foi chato, cansativo, tedioso. Porque hoje ele não foi.
Não vou ficar aqui postando coisas sobre o amor ou sobre a falta, porque ele está presente é o hoje basta( Será uma daquelas verdades inventadas?)
Hoje eu não vou dizer talvez. Que seja então!

Não acordei assim.
Não fiquei assim.

É que simplesmente agora - não hoje, agora- me deu vontade de chutar o pau da barraca e ser aquilo que eu não nem ai pra ser. Dizer aquilo que penso mil vezes antes dizer.

Agora assim. Com essa precisão estranha de ser exatamente quem eu não queria que fosse.

---------------------------------------------------------------------------------

PS1: Não era pra entender mesmo..


"Você já tentou varrer a areia da praia?
Já viu sumir a última estrela da madrugada?
Já ficou um dia, um mês, um ano sem fazer nada?

Já colocou todas as roupas do armário na mala?
A sua casa já desmoronou no meio da sala?
Você já tentou varrer a areia da praia?

Jamais quis alguma coisa já quis alguma coisa já?
Já quis demais alguma coisa já?
Já?

Já!"

(Titãs - Já)

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

O limite da definição


Perguntaram- me se era capaz de definir-me em apenas uma palavra.
As que me habitam, responderam unanimemente: Não. Como posso eu - e não vou usar aqui meio-termos ou falso moralismo - contas tantas caras, definir-me em uma única palavra? Se o que procuras é definição, digo-te, com as todas as metáforas, contra censos e contradições das quais sou feita; Sou tanto! Sou tantas. Sou tudo!

Sei ser bonita, tanto quanto sei ser chata. Me
desmancho em lágrimas pelos mais bobos motivos.Sorrio tanto quanto pisco e ainda acho que amor é pra toda vida. Sim, sei ser fácil, ser fútil, ser santa, ser egoísta, e ás vezes não ser deixar de ser. Nunca quis ser o centro das atenções, mas faço questão de atenção quando falo. Gosto de ser ouvida. Entendida. Apreciada. Ainda mais de ser confrontada. Amo debater minhas ideias. E as tenho em monte. Resolvo problemas dos outros com a mesma facilidade que invento os meus. As minhas mentiras podem ser as tuas verdades. E vice-versa. Então como saber se eu minto? ou não? Brigo sozinha e eu mesma me desculpo. Odeio aquela conversa de que" Nem mais, nem menos: sou completa". Papo furado. Ou de aquela " sou apenas eu". longe de ser completa é esse "apenas" tá longe de ser apenas.

Definir-me em apenas uma palavra? Não. ainda não aprendi.
Muito menos num breve espaço de " Quem sou eu" no
orkut.

Há quem diga, que se definir seja limitar. Pra mim, é expandir. É buscar. Limita-se quem tenta buscar um limite pra sua própria definição.





"Façamos parte do contexto
Sejamos todas as capas de edição especial
Mas, porém, contudo, todavia
Sejamos também a contracapa
Porque ser a capa e ser contracapa
É a beleza da contradição"

( Teatro Mágico)

domingo, 27 de setembro de 2009

Mesmo que seja breve


Deitou a cabeça em seu ombro, e deixou perder-se naquele abraço.
E o tempo bem que poderia parar ali.

Mas que graça teria, se o amanhecer é sempre Tao lindo?



"Tempo amigo
seja legal
Conto contigo
pela madrugada
Só me derrube no final.." (Pato Fú)

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Desabafo


-Você não acha?

'Não. Não acho. Foda-se o que você pensa sobre o mim. Pouco me importa se não me acha capaz, se a única que coisa que consideras fruto do meu esforço seja um pequeno nada, se sei que quem conseguiu foi eu! Quem é você pra falar do meu futuro? A não ser, uma pessoa insignificante que rouba os meus sorrisos e reprova cada ato meu? Que sente prazer em expor minhas falhas, E joga na minha cara cada erro? Você não me fez ser quem eu sou hoje. Não é voce quem molda minha capacidade, minha personalidade. Você não é ninguém a não ser quem me tolhe. E não. Pouco me importa se está certo ou errado'

- Tá. Você tem razão.

E saboreou amargamente cada palavra que engolia, enquanto dava as costas, e deixava-se mais uma vez sair vencida.

domingo, 20 de setembro de 2009

Das pequenas construções

"Não quero dormir sem teus olhos.
Não quero ser… sem que me olhes.
Abro mão da primavera para que continues me olhando.”
-Neruda-



É quando os teus olhos me fitam, que eu deixo de fazer sentido, e me deixo apenas sentir.
Quando a tua mão encaixa perfeitamente na minha, eu esqueço o caminho e, certo ou errado, me permito conduzir.
É quando encosto a cabeça no teu peito, e sinto o meu coração bobo batendo compassadamente com o teu, e que o mundo poderia terminar ali.
E do teu lado, nada mais faz sentido. Tudo é sentido enquanto estiver ali.
Quando é silencio, pouco importa. As palavras também nada dizem.
Te dou de presente a minha coleção de sorrisos, feitos sob medida pra ti. E como uma criança mimada, ganho e guardo teus melhores abraços pra mim.



Só o que se percebe, somos eu e você. E o amor ali.

sábado, 12 de setembro de 2009

Dos breves( Ou leves?) desvaneios


Essa semana foi tão estranha. Pensei em tantas coisas..e..é tão estranho fazer um balanço da nossa vida! Ver e rever tudo que a gente fez, onde a gente está.

Onde estávamos anos atrás, enquanto pensávamos onde estaríamos agora?

O fato é: Sempre imaginei minha vida até aqui. Não que eu tenha chegado exatamente onde queria chegar. Mas cheguei. Minhas escolhas, ações. Tenho uma memoria vasta de recordações e saudades. Tudo que passou, mas de algum modo permaneceu. Não foi só o meu rosto que mudou. Mudaram as ideias, as angustias, os sorrisos. O jeito é o mesmo, lá no fundo ainda sou a mesma menina que nunca aprendeu a falar nos 3 segundos, que se derramava em lágrimas por qualquer motivo, que fazia amigos tão rápido quanto as brigas que arrumava. Sobe um novo olhar, mas ainda eu. Passei minha vida passando por lugares diferentes. E tenho certeza, que assim como fui esquecida e esqueci de alguns, ainda sou lembrada. E sei que onde estou é mais uma parada. Por que só imaginei minha vida, exatamente, até aqui. Não faço ideia do que vem depois. Mas já é hora de parar de pensar no que me fez chegar aqui e começar a planejar onde me levará o próximo passo. Não vai sair perfeitamente como planejado, mas de algum modo, tenho certeza que, assim como agora, vai me permitir olhar pra trás e ver que talvez, por menos planejado que seja, estamos onde deveríamos estar.

E sempre bom olhar pra trás. Melhor ainda é deixar pra trás o que ficou pra trás. E olhar confiante pro caminho a nossa frente. Por que é ele, o único que pode ser mudado.




"Gira o mundo, revira-volta... Deus escreve certo por linhas certas. Torto é quem não sabe interpretar.." (Pimentas do Reino)

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Bora?



E aquele vontade que aperta-lhe o peito voltou outra vez.
E dessa vez, por pouco Ela não foi com ela.





"Vamos fugir!
Pr'outro lugar
Baby!
Vamos fugir
Pr'onde quer que você vá
Que você me carregue..."


(Gilberto Gil)